quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

*** A RECUPERAÇÃO DE NÓS MESMOS ***


A RECUPERAÇÃO DE NÓS MESMOS
(O lado sombrio dos buscadores da Luz)



Textos para crescimento interior

A projeção é um fenômeno fascinante que a grande maioria das escolas deixa de ensinar aos estudantes. É uma transferência involuntária do nosso próprio comportamento para outras pessoas, dando-nos a impressão de que determinadas características estão presentes nos outros. Quando sofremos de ansiedade no que diz respeito às nossas emoções ou a partes inaceitáveis da nossa personalidade, atribuímos esses aspectos - como um mecanismo de defesa - a objetos exteriores a nós ou a outras pessoas. Quando somos intolerantes com as outras pessoas, por exemplo, estamos inclinados a atribuir o nosso sentimento de inferioridade a elas. Evidentemente, há sempre um "gancho" que favorece a nossa projeção. Alguma qualidade imperfeita em outra pessoa ativa uma parte de nos mesmos que quer nossa atenção. Dessa forma, tudo o que não assumimos em relação a nós mesmos projetamos em outras pessoas.

Só percebemos aquilo que somos. Gosto de pensar nisso em termos de energia. Imagine que existam cem diferentes tomadas de luz em seu peito. Cada tomada representa uma qualidade diferente. As que nós conhecemos são envolvidas por uma chapa de proteção. Estão seguras: nenhuma eletricidade vai escapar dali. Mas as qualidades que não consideramos boas, que ainda não assumimos, têm uma carga. Assim, quando surgem outras pessoas que representam uma dessas qualidades, elas se conectam diretamente a nós. Por exemplo, se negarmos nossa raiva ou nos sentirmos mal com ela, atrairemos gente zangada para a nossa vida. Abafaremos nossos próprios sentimentos de raiva e criticaremos as pessoas que consideramos coléricas. Já que mentimos para nós mesmos sobre nossos sentimentos, o único meio de encontrá-los é vê-los nos outros. As outras pessoas refletem as emoções e os sentimentos que escondemos, o que nos permite reconhecê-los e recuperá-los.

Instintivamente, nós recuamos diante de nossas projeções negativas. É mais fácil examinar aquilo que nos atrai do que aquilo que nos causa aversão. Se fico aborrecido com sua arrogância, é porque não estou assumindo a minha própria. Isso também é arrogância, que agora estou demonstrando sem perceber, ou a arrogância que renego, a qual serei capaz de demonstrar no futuro. Se fico aborrecido com a arrogância, preciso examinar bem de perto todos os recantos a minha vida e me perguntar o seguinte: no passado, quando fui arrogante? Estou sendo arrogante neste momento? Pode acontecer que eu me comporte com arrogância no futuro? Com certeza eu estaria sendo arrogante se respondesse não a essas perguntas sem me examinar com cuidado ou sem me examinar com cuidado ou sem perguntar a outras pessoas se alguma vez me viram agindo com arrogância. O ato de julgar alguém é arrogante; portanto, evidentemente, todos temos a capacidade de ser arrogantes. Se eu incorporar minha própria arrogância, não me aborrecerei com a dos outros. Vou percebê-la, mas ela não me afetará. A tomada da minha arrogância estará envolvida por uma chapa de proteção. Só quando você mente para si mesmo ou odeia alguma característica sua é que recebe uma carga emocional originada do comportamento de outra pessoa.

Ken Wilber faz uma grande distinção no livro Meeting the Shadow. Ele diz: "A projeção no nível do ego é facilmente identificável: se uma pessoa ou coisa, no meio em que estamos, nos acusa , provavelmente não estamos projetando; por outro lado, se nos abalamos, há boas chances de que sejamos vítimas de nossas próprias projeções". Se você compreender isso de verdade, nunca mais verá o mundo da mesma forma. Pense a esse respeito. Se alguém passar por você e cuspir na calçada e você perceber mas não reagir, possivelmente não será uma coisa que precise ser trabalhada. Mas, se ficar aborrecido e pensar: Como alguém pode ser tão mal-educado e desagradável?, então você estará projetando.

Talvez esteja envolvido com algum comportamento desagradável no momento ou tenha agido assim no passado. Por alguma razão, o comportamento desagradável o incomoda demais, portanto você se sente abalado pelo comportamento do cuspidor. Tudo isso deve ter começado quando você era pequeno. É possível que você realmente haja cuspido e alguém tenha dito: "Isso é muito desagradável". Talvez alguém na sua família cuspisse e os outros reagissem de uma maneira negativa. Não importa o que tenha acontecido, você se decidiu a nunca fazer uma coisa desse tipo, e empurrou esse aspecto seu para o fundo da sua mente. Se essa pessoa que cospe mexe com você, é porque isso dispara seu alarme interno. Esses alarmes são pistas para revelar seu lado sombrio. Com isso em mente, você pode observar aquilo que o abala emocionalmente como um catalisador para o crescimento, dando a você uma oportunidade de recuperar um lado seu que ficou escondido.

Nesse ponto, muitos de vocês estarão pensando: "Isso é ridículo. Não quero descobrir que sou desagradável ou arrogante". Mas é preciso lembrar que há sempre um benefício ou um talento correspondente a cada um desses aspectos. Porém, para receber os benefícios, você precisa, em primeiro lugar, descobrir esses aspectos, apossar-se deles e incorporá-los. Existe uma velha história sufi sobre um filósofo que marcou um encontro para debater com Nasrudin, um sábio professor sufi. Quando o filósofo chegou ao encontro marcado, descobriu que Nasrudin não estava em casa. Injuriado, o filósofo pegou um pedaço de giz e escreveu "Estúpido idiota" no portão de Nasrudin. Quando Nasrudin chegou em casa e viu aquilo, seguiu apressado para a casa do filósofo. "Eu me esqueci", disse ele, "de que você estava para chegar. Sinto muito ter perdido nosso encontro. Mas, assim que vi seu nome escrito no meu portão, me lembrei imediatamente do encontro marcado".

Nossa indignação com relação ao comportamento dos outros diz respeito, em geral, a um aspecto não-resolvido de nós mesmos. Se ouvíssemos tudo o que sai de nossa boca quando falamos com outras pessoas, quando as julgamos ou as aconselhamos, bastaria fazer as palavras darem meia-volta e direcioná-las para nós. O filósofo poderia ter escrito apenas "bronco sem educação", "mentiroso sem consideração", ou "covarde traiçoeiro". Por outro lado, também poderia ter chegado a uma conclusão totalmente diferente e se preocupado, com medo de que Nasrudin tivesse se machucado ou ficado doente. Mas, quando ele descobriu a ausência de Nasrudin, as palavras que lhe vieram à mente foram "estúpido idiota". Na nossa vida, quando temos uma característica sem um manto de proteção, acontecem incidentes para os ajudar a recuperar e incorporar esse aspecto rejeitado. Sem a influência de nenhum fato, a não ser a ausência de Nasrudin, o filósofo projetou seu traço, não incorporado, de "estúpido idiota".

Projetamos nossas deficiências nos outros. Dizemos aos outros o que deveríamos estar dizendo a nós mesmos. Quando julgamos os outros, estamos julgando a nós mesmos. Se você se atacar o tempo todo com pensamentos negativos, também atacará as pessoas à sua volta - verbal, emocional ou fisicamente - ou acabará destruindo alguma área de sua própria vida. O que você faz e o que você diz não são acidentais. Não há acidentes na vida que você criou. No mundo holográfico, tudo é você, e você está sempre falando consigo mesmo.

Quando você for xingar alguém por ter feito alguma coisa errada, pare e pense se você chamaria a si mesmo com esse nome. Se estiver sendo honesto, a resposta, invariavelmente, será sim. O mundo é um espelho gigante que sempre reflete as nossas costas. Cada traço está ali por alguma razão, e todos eles são perfeitos à sua maneira.

Liberdade significa ser capaz de escolher quem e o que você quiser ser em qualquer momento da vida. Se tiver de agir de determinada forma para evitar se algo de que não gosta, você terá caído numa armadilha. Terá limitado sua liberdade e roubado de si mesmo a possibilidade de ser completo. Se você não se permite ser preguiçoso, não pode ser livre. Se não admite ficar bravo quando alguma coisa desagradável acontece, não pode ser livre. Se lida com o comportamento de alguém tornando-se o seu oposto, questione-se sobre isso. Se fica particularmente aborrecido com um determinado grupo de pessoas, descubra de que forma você se assemelha a elas. Não são apenas nossos traços negativos que projetamos em outras pessoas; os positivos também. A maioria das pessoas c /quem trabalho projetam sua inteligência e criatividade, seu poder e seu sucesso. Se você quer ser como determinadas pessoas, é porque tem a capacidade de ser como elas. Se você fica fascinado com grandes astros e gasta tempo e dinheiro lendo sobre a vida deles, descubra a faceta que você ama neles e que está em seu interior.

Você merece ter tudo o que queira de forma real e sincera. A única diferença entre você e seus ídolos é que eles estão manifestando uma das qualidade que você almeja e, provavelmente, realizando os próprio desejos. Se você não estiver vivendo à altura dos eu potencial, será fácil projetar seus traços positivos nas pessoas que conseguem isso. Quando começar a realizar seus sonhos e objetivos, você ficará menos interessado no que os outros estão fazendo. Cada um de nós precisa se tornar seu próprio herói. A única maneira de fazer isso é retomar as partes do nosso ser que estão conectadas a outra pessoas, das quais nos desfizemos em algum momento.

Enquanto negarmos a existência de certos traços em nós mesmos, continuaremos a perpetuar o mito de que os outros têm alguma coisa que não possuímos. Ao admirar alguém, temos a oportunidade de descobrir um novo aspecto.

Precisamos recuperar tanto as nossas projeções positivas quanto as negativas. Devemos retirar as tomadas que ligamos nos outros, revertê-las e ligá-las em nós mesmos. Até que sejamos capazes de recuperar nossas projeções, fica impossível para nós perceber todo o nosso potencial e viver a totalidade do que realmente somos.

Há um velho ditado que diz: "Basta conhecer um para conhecer todos". Vemos nos outros tudo aquilo de que gostamos e não gostamos em nós mesmos. Se incorporarmos essas partes, seremos capazes de ver os outros como eles são, não como os vemos através do nevoeiro da nossa projeção. Outro provérbio se refere aos três maiores mistérios do mundo, que são o ar para os pássaros, a água para os peixes e o homem para ele mesmo. Somos capazes de ver tudo diante de nós no mundo exterior. Tudo o que temos de fazer é abrir os olhos e olhar ao nosso redor. Como não podemos ver a nós mesmos, precisamos de um espelho para nos enxergar. Você é meu espelho e eu sou o seu.

***Enviado pela amiga Lena.
http://marilenaconsulta.spaces.live.com/?lc=1046


Fique na Luz Divina!!!

Um comentário:

Fractais - Janelas para o Infinito disse...

olá

adorei teu blog e já o linkei! virei sp em seu cantinho
um abraço